quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Receita para o esquecimento

Uma vez fui ao médico e perguntei pra ele se tinha remédio para o esquecimento.
Ele disse que existia mas que não poderia me receitar, que os ingredientes ninguem nunca havia descoberto, mas que ele tinha certeza que existia.
Sai do consultório desesperada,chorando forçando a mente pra não lembrar o que eu queria tanto esquecer...
Fiquei horas, dias, meses me perguntando qual era esse tal remédio.
Até que descobri que é o tempo: que passa e cura tudo, leva lembranças (boas e ruins), lava a alma, limpa as lágrimas, leva tudo, menos o amor.
Leva até o que você esqueceu de esquecer, o que você esqueceu de lembrar, o que você lembrou que esqueceu, mas não leva o amor.



quinta-feira, 9 de maio de 2013

Medo de ser esquecida, antes mesmo de conseguir esquecer!

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Vontade de empurrar o tempo pra ver se isso passa logo!

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Eu queria ser poeta...

" Eu queria ser poeta...
Realizar a proeza de desvendar os silêncios e descobrir o que o outro fala, mesmo quando ele não diz
Desde quando a vida me permitiu conhecer você, tenho experimentado a beleza do significado da amizade
Quando nossos caminhos se encontraram, foi amizade à primeira vista
Depois daquele encontro, meu mundo ficou mais bonito
Sua palavra me convenceu de que eu deveria continuar
Estar ao seu lado é sempre motivo de festa
Quando estamos juntos, a vida ganha um significado diferente
Retiramos o dia comum do calendário e o transformamos em feriado
Extraímos felicidade das coisas mais simples...E multiplicamos a graça de cada instante!
Eu não sei dizer quem eu sou, sem que me recorde de você...
Você me empresta qualidade, você me devolve quando sou roubado...você me encontra quando estou perdido
Pode ser que um dia a gente venha a se perder nas distâncias deste mundo...pode ser que um dia a gente se separe
Mas uma coisa é certa, se pela força da distância você se ausentar, pelo poder que há na saudade você há de voltar
Mesmo que o tempo passe, você fique velhinho, dentro de mim você continuará tendo significado
E haverá sempre um lugar reservado em minha casa para você chegar, quando quiser
Neste instante em que seus olhos se ocupam das palavras que meu coração resolveu improvisar...
Eu gostaria de lhe agradecer pelas inúmeras vezes que você me enxergou melhor do que sou.
Pela sua capacidade de me olhar devagar, já que nesta vida muita gente já me olhou depressa demais.
Obrigado por você não ter desistido de mim.
Obrigado pelo seu dom de multiplicar o que sou e o que posso.
Quando lhe encontro, sou sempre surpreendido com seu poder de me fazer ver o mundo com as mesmas lentes dos poetas..."

Eu quero dedicar esse texto à duas pessoas, duas amigas, que mesmo eu demorando pra reconhecer como tais, estiveram ao meu lado quando pisei e achei que não tivesse mais chão.
Que estiveram ao meu lado em silêncio ou com palavras duras...cada uma com seu jeito, mas sempre aceitando o meu jeito!
Queria poder escrever um texto pra elas de minha autoria,mas como disse anteriormente, quando as palavras não são suficientes e não tem a dimensão do que se quer dizer o texto se perde.
E esse que dedico agora traduz um pouco, bem pouco do que vocês significam pra mim.
Lôlô e Marília amo vocês! (mesmo não falando isso todos os dias)

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Não consigo escrever pois nenhuma palavra é suficiente ou tem a dimensão de tudo o que eu quero dizer!

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Quase

"Ainda pior que a convicção do não e a incerteza do talvez é a desilusão de um quase. É o quase que me incomoda, que me entristece, que me mata trazendo tudo que poderia ter sido e não foi. Quem quase ganhou ainda joga, quem quase passou ainda estuda, quem quase morreu está vivo, quem quase amou não amou. Basta pensar nas oportunidades que escaparam pelos dedos, nas chances que se perdem por medo, nas idéias que nunca sairão do papel por essa maldita mania de viver no outono.
Pergunto-me, às vezes, o que nos leva a escolher uma vida morna; ou melhor não me pergunto, contesto. A resposta eu sei de cór, está estampada na distância e frieza dos sorrisos, na frouxidão dos abraços, na indiferença dos "Bom dia", quase que sussurrados. Sobra covardia e falta coragem até pra ser feliz. A paixão queima, o amor enlouquece, o desejo trai. Talvez esses fossem bons motivos para decidir entre a alegria e a dor, sentir o nada, mas não são. Se a virtude estivesse mesmo no meio termo, o mar não teria ondas, os dias seriam nublados e o arco-íris em tons de cinza. O nada não ilumina, não inspira, não aflige nem acalma, apenas amplia o vazio que cada um traz dentro de si.
Não é que fé mova montanhas, nem que todas as estrelas estejam ao alcance, para as coisas que não podem ser mudadas resta-nos somente paciência porém,preferir a derrota prévia à dúvida da vitória é desperdiçar a oportunidade de merecer. Pros erros há perdão; pros fracassos, chance; pros amores impossíveis, tempo. De nada adianta cercar um coração vazio ou economizar alma. Um romance cujo fim é instantâneo ou indolor não é romance. Não deixe que a saudade sufoque, que a rotina acomode, que o medo impeça de tentar. Desconfie do destino e acredite em você. Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando porque, embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu."

Sarah Westphal

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Sem fim

Acho uma grande bobagem essa história de que o mundo vai acabar,assim, do nada...
Mas se isso acontecer mesmo venho declarar que estou satisfeita comigo.
Nunca precisei mentir, invejar, trair, disfarçar.
Confesso que já inventei algumas desculpas, fiquei com preguiça,tive raiva, guardei rancor, mas tudo isso passou!
Nunca precisei passar por cima dos outros,desdenhar, ser racista, preconceituosa ou coisa parecida.
Admito que demorei pra aceitar algumas coisas, desculpar algumas pessoas e diferenciar algumas de outras, mas fiz tudo isso quando meu coração estava pronto.
O tempo do coração é diferente do tempo do relógio!
Nunca precisei fingir,fugir, ignorar.
Confesso que fui/sou orgulhosa, impaciente, nervosa, egoísta,mas tudo isso são resquícios de decepções passadas.
Nunca precisei ,agredir, odiar, desejar o mal.
Confesso que já gritei, fechei a cara, tive comportamentos totalmente imaturos que nem eu mesma acredito, mas fiz tudo isso pra ser notada (e quem nunca o fez?)
Nem sempre tive atitudes decentes, falei o que queria, senti o que deveria, falei o que sentia.
Fiz muita coisa errada, fui mal exemplo,mas sempre me corrigi.
E o mais importante, nunca desisti de mim!
Acho uma grande bobagem essa história de que o mundo vai acabar,assim, do nada...
Ainda tem muita coisa que eu quero concertar pra viver, ainda tem muita coisa que eu quero viver pra concertar.
Ainda tem muito amor que eu quero dar.


Sem fim!

De minha autoria